Pular para o conteúdo principal

Umami, é disso que precisamos



   O corpo humano é a maior perfeição da natureza, possuindo vários mecanismos e funções que podem aparecer inacreditáveis. Uma dessas funções vitais e básicas – que serve desde quando bebês, para descobrirmos o mundo, até a fase adulta, para sentirmos os prazeres que ele nos oferece − são os cinco sentidos.
  O tato, o paladar, a visão, a audição e o olfato. São eles os responsáveis por quase tudo em nossas vidas. Com essa convicção instalada em mim, esses dias me veio um pensamento: com toda a exatidão dos sentidos no campo biológico, por que não aplicar nossos conhecimentos sobre eles à nossa vida e extrair disso algum aprendizado? Isso serviria para trazer novas experiências e reflexões a nossas mentes.
  Com essa pergunta comecei a analisar um por um, sentido por sentido e percebi que o  que mais se encaixaria na parte racional era o paladar e ele foi escolhido por uma pequena particularidade que poucos conhecem.
  O paladar é composto por cinco sabores básicos: amargo, ácido, salgado, doce e o umami − sim, isso mesmo − umami. O umami, por si só, não é de grande valia, mas a sua principal característica é realçar o gosto dos outros sabores, assim fazendo um gosto já conhecido por nossas papilas gustativas tornar-se mais marcante e com traços diferentes.
  Sendo assim, cheguei à conclusão de que é disso que precisamos: mais umami em nossas vidas, realçar os momentos, não fazer as coisas simplesmente por fazer. Ir atrás daquele abraço que tanto nos faz bem e manter-se abraçado por alguns segundos a mais do que o normal; parar com a correria do dia para ter um encontro agradável, sem muitos planos, com algum grande amigo verdadeiro e confidente. Deixar o ócio corriqueiro de lado e analisar o que caiu na rotina, perceber as modificações que devem acontecer e dar a devida atenção às coisas que são extremamente boas e importantes para nós, mas que, com a repetição diária, acabamos deixando, sem querer, entrar no campo das coisas comuns. Tornar melhores aqueles domingos sem graça com os familiares de casa e, ao invés de aturar sua presença, fazer-se presente a eles e criar novas maneiras de interação.
  Umami é transformar os detalhes sem graça em conteúdos incríveis, é fazer uma leitura dos momentos e perceber como são importantes mesmo que já conhecidos e frequentes, dando a eles novos ares. É perceber que a vida é passageira e que somos muito grandes de conteúdo e vontade para ficar sempre com a mesma percepção sem graça dos fatos.

  Como acredito que é sempre bom reavaliar as coisas e dar a devida importância aos momentos e acontecimentos, nada melhor que o umami para nos ajudar. É isso que eu quero para mim e desejo a vocês: umami.

Imagem por Pixabay

Postagens mais visitadas deste blog

A ingenuidade de um ridículo

A vida tem muitos significados, um mais metafísico e confuso que o outro, o que faz a pergunta do “sentido da vida” ter uma resposta difícil. Há pouco tempo, eu me fiz essa pergunta e não queria nada mais que uma resposta simples ou nem mesmo uma resposta, apenas um fato pequeno que fizesse sentido. Descobri esse fato: uma das emoções que mais dão sabor à existência, dando em parte o sentido da vida, é o prazer da descoberta. Caso confirmado por todos, mas há um grande problema nisso. Não sabemos dosar as descobertas: é necessário deixar perguntas sem respostas, é necessário ingenuidade para nos manter lúcidos.
  Ingenuidade é algo que devemos cultivar em nossa trajetória, quando perdemos o “só sei que nada sei” temos um desfalque enorme no sentido de viver e apenas conseguimos manter isso com humildade e ingenuidade; agora, se tivermos dificuldade em aprender essas lições, podemos olhar para as crianças. Já se perguntou por que a infância é vista pelos adultos como a fase mais bonit…

Um maço de cigarros, uma geladeira e meu coração

Certa vez, quando eu estava no ensino médio, uma professora da qual eu não gosto deixou escapar algo útil da sua boca. Ela contou uma anedota em que seu pai, que era viciado em cigarro havia muitos anos, decidiu parar de fumar. Disse que ele se esforçou bastante até conseguir, só que, mesmo depois de vencido o vicio, ele ainda tinha um hábito que intrigava.
  O hábito dele era sempre comprar um maço de cigarros para deixá-lo em cima da geladeira, lugar em que sempre costumava guardar seus cigarros, mas fazia isso mesmo depois de anos de largado o vício e sabendo que não fumaria de novo. Fiquei pensando muito nisso na época e vale ressaltar que a dita professora só estava contando aquilo para gente porque, naquele dia, finalmente, seu pai jogou o maço fora e não comprou mais nenhum para repor o lugar vazio.

  Algumas situações que passamos na vida nos fazem lembrar de histórias aleatórias com uma resposta para elas. Até o fim do meu ensino médio nunca chegamos a uma conclusão do por qu…

Nós criamos nossos próprios fantasmas

A vida nada mais é do que uma busca e sempre buscamos aquilo que nos traz alegria, satisfação, paz de espírito e por aí vai. Fazemos isso para fazer valer a pena o tempo que estamos aqui e, quando chegar o final da vida e olharmos para trás, mesmo sabendo que nem tudo foi perfeito, queremos ter a sensação de dever cumprido.   Atrás dessa busca, tomamos muitos caminhos e decisões; ao mesmo tempo em que isso é necessário para que possamos crescer, é também o lugar em que mora o perigo, e as consequências de uma escolha mal feita podem ser terríveis.   Nossos fantasmas aparecem no momento em que fazemos uma escolha errada e os motivos por que erramos são muitos, como: buscar ter algo em um tempo errado ou quando nos vemos cegos pelo desejo de realizar que nem prestamos atenção na razão e nos fatos, ou ainda o instante no qual não escutamos nossa voz interior ou sequer seguimos nossos instintos.   O resultado de tudo isso é a criação definitiva de nossos fantasmas. Esse fantasma a que eu m…