Pular para o conteúdo principal

A ingenuidade de um ridículo





  A vida tem muitos significados, um mais metafísico e confuso que o outro, o que faz a pergunta do “sentido da vida” ter uma resposta difícil. Há pouco tempo, eu me fiz essa pergunta e não queria nada mais que uma resposta simples ou nem mesmo uma resposta, apenas um fato pequeno que fizesse sentido. Descobri esse fato: uma das emoções que mais dão sabor à existência, dando em parte o sentido da vida, é o prazer da descoberta. Caso confirmado por todos, mas há um grande problema nisso. Não sabemos dosar as descobertas: é necessário deixar perguntas sem respostas, é necessário ingenuidade para nos manter lúcidos.
  Ingenuidade é algo que devemos cultivar em nossa trajetória, quando perdemos o “só sei que nada sei” temos um desfalque enorme no sentido de viver e apenas conseguimos manter isso com humildade e ingenuidade; agora, se tivermos dificuldade em aprender essas lições, podemos olhar para as crianças. Já se perguntou por que a infância é vista pelos adultos como a fase mais bonita que vivemos? Enxergamos assim porque as crianças são um poço de ingenuidade, elas têm o mundo inteiro para descobrir ainda, algo que nós, adultos, não temos mais e ficamos tristes por essa perda de prazer que o novo pode proporcionar.
  Com a consciência de que o “novo” está acabando e de que o prazer da descoberta vai esvaindo-se, ficamos deprimidos. Em casos mais extremos, ficamos indiferentes pela vida em uma bola de neve niilista no fim da qual alguns enxergam o suicídio caso retratado por Dostoiévski no conto “O sonho de um homem ridículo”.
  O eu lírico do conto está prestes a suicidar-se pela indiferença da vida, mas uma criança o para na rua pedindo ajuda, acontecimento que culmina em um sonho quando ele volta para sua casa e adormece. Esse sonho o salva, pois, na minha visão interpretativa, o sonho devolve as perguntas da ingenuidade.
  Ele é um sujeito que não sente mais nada pela vida, mas, em seu sonho, é levado por uma criatura divina a um mundo perfeito, sem pecado, repleto de amor e, após isso, fala que conheceu a verdade. No fim, mesmo que o personagem tenha destruído esse planeta e acabado com o amor coletivo infiltrando o “pecado original”, ele acorda querendo transmitir o que viveu, falar sua verdade e tentar achar uma lógica para o paraíso que aquela Terra vivia com aquela quantidade imensa de amor. Isso devolveu-lhe a gana de viver, pois trouxe-lhe a ingenuidade da pergunta sem resposta e a expectativa do prazer da descoberta de novo, além do ânimo de pregar aos homens da Terra original o que viveu com aqueles habitantes do “paraíso”.
  Precisamos investir na ingenuidade, nem sempre o conhecimento completo é totalmente bom. Devemos manter áreas desconhecidas, mesmo que sejamos chamados de ridículos por isso. Dessa forma, cultivamos um caminho a seguir e é pela ingenuidade que queremos algumas coisas e temos fé em outras, como uma vez explicitou o grande ator José Wilker.
  Lembre-se de quando era criança, o Natal tinha uma magia única que foi embora depois da descoberta de que o Papai Noel não existe e hoje o Natal é um tanto sem graça por causa disso. Clarice Lispector já dizia “Aquilo que eu não sei é minha melhor parte”, mais um argumento para deixarmos algumas coisas de lado agora para que no futuro ainda tenhamos o prazer da descoberta vivo. Pense nisso e veja a importância da ingenuidade em nossas vidas.





Postagens mais visitadas deste blog

Nós criamos nossos próprios fantasmas

A vida nada mais é do que uma busca e sempre buscamos aquilo que nos traz alegria, satisfação, paz de espírito e por aí vai. Fazemos isso para fazer valer a pena o tempo que estamos aqui e, quando chegar o final da vida e olharmos para trás, mesmo sabendo que nem tudo foi perfeito, queremos ter a sensação de dever cumprido.   Atrás dessa busca, tomamos muitos caminhos e decisões; ao mesmo tempo em que isso é necessário para que possamos crescer, é também o lugar em que mora o perigo, e as consequências de uma escolha mal feita podem ser terríveis.   Nossos fantasmas aparecem no momento em que fazemos uma escolha errada e os motivos por que erramos são muitos, como: buscar ter algo em um tempo errado ou quando nos vemos cegos pelo desejo de realizar que nem prestamos atenção na razão e nos fatos, ou ainda o instante no qual não escutamos nossa voz interior ou sequer seguimos nossos instintos.   O resultado de tudo isso é a criação definitiva de nossos fantasmas. Esse fantasma a que eu m…

Um maço de cigarros, uma geladeira e meu coração

Certa vez, quando eu estava no ensino médio, uma professora da qual eu não gosto deixou escapar algo útil da sua boca. Ela contou uma anedota em que seu pai, que era viciado em cigarro havia muitos anos, decidiu parar de fumar. Disse que ele se esforçou bastante até conseguir, só que, mesmo depois de vencido o vicio, ele ainda tinha um hábito que intrigava.
  O hábito dele era sempre comprar um maço de cigarros para deixá-lo em cima da geladeira, lugar em que sempre costumava guardar seus cigarros, mas fazia isso mesmo depois de anos de largado o vício e sabendo que não fumaria de novo. Fiquei pensando muito nisso na época e vale ressaltar que a dita professora só estava contando aquilo para gente porque, naquele dia, finalmente, seu pai jogou o maço fora e não comprou mais nenhum para repor o lugar vazio.

  Algumas situações que passamos na vida nos fazem lembrar de histórias aleatórias com uma resposta para elas. Até o fim do meu ensino médio nunca chegamos a uma conclusão do por qu…