Pular para o conteúdo principal

Como anda seu individualismo?

   


   Era um dia como outro qualquer, eu estava no ponto de ônibus, sozinho, sabia que era questão de minutos para que começasse a encher o local. Pouco tempo depois que cheguei, uma moça muito simpática e sorridente olhou para mim e me desejou um bom dia. Fiquei intrigado com a cena, mas rapidamente desejei a ela o mesmo.
   Depois daquilo, fiquei pensando comigo quanto tempo fazia que eu não escutava um bom dia de uma pessoa totalmente estranha na rua e, com isso, me veio a questão de como estamos individualistas nos dias de hoje.
   O individualismo é algo tão humano como respirar e andar, chega a ser uma forma de defesa, mas, ao mesmo tempo, é também uma forma de mesquinhez e de falta de empatia. Não é preciso sair muito da cena que explicitei acima para ver o individualismo no decorrer do dia. Sempre quando entramos no ônibus, procuramos um lugar vazio para sentar e, depois de escolhido o confortável lugar, desejamos ao máximo que ninguém se sente ao nosso lado e, quando nosso plano não dá certo e o “inconveniente” acontece, uma sensação horrível logo nos toma conta, parece que nossa privacidade foi invadida, que não foi respeitado o nosso espaço e nos sentimos incomodados.
   Uma coisa a se lembrar é que não é só em fatos do dia a dia que nossa visão individual nos atinge; ela também chega ao campo das nossas ações para com o próximo.Quando olhamos uma pessoa precisando de ajuda ou pedindo alguma coisa e não paramos para ajudar ou sequer damos um minuto de nossa atenção para ouvir o que o outro tem a dizer, já é individualismo. Uma simples questão de educação e respeito ao próximo poderia fazer qualquer um tomar uma atitude mais inclusiva para com o igual.
   O individualismo mascara uma das coisas que mais deveríamos preservar no nosso dia a dia, que é o senso de que somos todos iguais, de modo que a empatia é o sentimento mais valioso que uma pessoa pode preservar como um de seus valores. Sair da zona de conforto sem pensar que se vai dar trabalho ou será inconveniente e estender a mão a alguém, desejar um bom dia ou uma boa noite a um desconhecido, colocar-se no lugar do outro e tentar imaginar a situação que ele possa estar passando, são atitudes louváveis.
   Precisamos parar por um momento em nossas vidas e rever algumas atitudes que nos permeiam. Eu sei que é fácil falar e muito mais difícil tomar a atitude devida, mas algo que precisamos rever é a nossa conduta perante esse individualismo.  Sempre que posso ou vejo que é necessário, reavalio meu individualismo. E você, leitor, como se encontra seu individualismo?
   Pense mais sobre isso e, assim, em um futuro em que as pessoas são mais reflexivas com seus valores e atitudes, o lado solidário de cada um terá a chance de aflorar e, por consequência, a humanidade agradecerá.

Imagem por Abyss - Alpha Coders

Postagens mais visitadas deste blog

A ingenuidade de um ridículo

A vida tem muitos significados, um mais metafísico e confuso que o outro, o que faz a pergunta do “sentido da vida” ter uma resposta difícil. Há pouco tempo, eu me fiz essa pergunta e não queria nada mais que uma resposta simples ou nem mesmo uma resposta, apenas um fato pequeno que fizesse sentido. Descobri esse fato: uma das emoções que mais dão sabor à existência, dando em parte o sentido da vida, é o prazer da descoberta. Caso confirmado por todos, mas há um grande problema nisso. Não sabemos dosar as descobertas: é necessário deixar perguntas sem respostas, é necessário ingenuidade para nos manter lúcidos.
  Ingenuidade é algo que devemos cultivar em nossa trajetória, quando perdemos o “só sei que nada sei” temos um desfalque enorme no sentido de viver e apenas conseguimos manter isso com humildade e ingenuidade; agora, se tivermos dificuldade em aprender essas lições, podemos olhar para as crianças. Já se perguntou por que a infância é vista pelos adultos como a fase mais bonit…

Um maço de cigarros, uma geladeira e meu coração

Certa vez, quando eu estava no ensino médio, uma professora da qual eu não gosto deixou escapar algo útil da sua boca. Ela contou uma anedota em que seu pai, que era viciado em cigarro havia muitos anos, decidiu parar de fumar. Disse que ele se esforçou bastante até conseguir, só que, mesmo depois de vencido o vicio, ele ainda tinha um hábito que intrigava.
  O hábito dele era sempre comprar um maço de cigarros para deixá-lo em cima da geladeira, lugar em que sempre costumava guardar seus cigarros, mas fazia isso mesmo depois de anos de largado o vício e sabendo que não fumaria de novo. Fiquei pensando muito nisso na época e vale ressaltar que a dita professora só estava contando aquilo para gente porque, naquele dia, finalmente, seu pai jogou o maço fora e não comprou mais nenhum para repor o lugar vazio.

  Algumas situações que passamos na vida nos fazem lembrar de histórias aleatórias com uma resposta para elas. Até o fim do meu ensino médio nunca chegamos a uma conclusão do por qu…

Nós criamos nossos próprios fantasmas

A vida nada mais é do que uma busca e sempre buscamos aquilo que nos traz alegria, satisfação, paz de espírito e por aí vai. Fazemos isso para fazer valer a pena o tempo que estamos aqui e, quando chegar o final da vida e olharmos para trás, mesmo sabendo que nem tudo foi perfeito, queremos ter a sensação de dever cumprido.   Atrás dessa busca, tomamos muitos caminhos e decisões; ao mesmo tempo em que isso é necessário para que possamos crescer, é também o lugar em que mora o perigo, e as consequências de uma escolha mal feita podem ser terríveis.   Nossos fantasmas aparecem no momento em que fazemos uma escolha errada e os motivos por que erramos são muitos, como: buscar ter algo em um tempo errado ou quando nos vemos cegos pelo desejo de realizar que nem prestamos atenção na razão e nos fatos, ou ainda o instante no qual não escutamos nossa voz interior ou sequer seguimos nossos instintos.   O resultado de tudo isso é a criação definitiva de nossos fantasmas. Esse fantasma a que eu m…