Pular para o conteúdo principal

Como anda seu individualismo?

   


   Era um dia como outro qualquer, eu estava no ponto de ônibus, sozinho, sabia que era questão de minutos para que começasse a encher o local. Pouco tempo depois que cheguei, uma moça muito simpática e sorridente olhou para mim e me desejou um bom dia. Fiquei intrigado com a cena, mas rapidamente desejei a ela o mesmo.
   Depois daquilo, fiquei pensando comigo quanto tempo fazia que eu não escutava um bom dia de uma pessoa totalmente estranha na rua e, com isso, me veio a questão de como estamos individualistas nos dias de hoje.
   O individualismo é algo tão humano como respirar e andar, chega a ser uma forma de defesa, mas, ao mesmo tempo, é também uma forma de mesquinhez e de falta de empatia. Não é preciso sair muito da cena que explicitei acima para ver o individualismo no decorrer do dia. Sempre quando entramos no ônibus, procuramos um lugar vazio para sentar e, depois de escolhido o confortável lugar, desejamos ao máximo que ninguém se sente ao nosso lado e, quando nosso plano não dá certo e o “inconveniente” acontece, uma sensação horrível logo nos toma conta, parece que nossa privacidade foi invadida, que não foi respeitado o nosso espaço e nos sentimos incomodados.
   Uma coisa a se lembrar é que não é só em fatos do dia a dia que nossa visão individual nos atinge; ela também chega ao campo das nossas ações para com o próximo.Quando olhamos uma pessoa precisando de ajuda ou pedindo alguma coisa e não paramos para ajudar ou sequer damos um minuto de nossa atenção para ouvir o que o outro tem a dizer, já é individualismo. Uma simples questão de educação e respeito ao próximo poderia fazer qualquer um tomar uma atitude mais inclusiva para com o igual.
   O individualismo mascara uma das coisas que mais deveríamos preservar no nosso dia a dia, que é o senso de que somos todos iguais, de modo que a empatia é o sentimento mais valioso que uma pessoa pode preservar como um de seus valores. Sair da zona de conforto sem pensar que se vai dar trabalho ou será inconveniente e estender a mão a alguém, desejar um bom dia ou uma boa noite a um desconhecido, colocar-se no lugar do outro e tentar imaginar a situação que ele possa estar passando, são atitudes louváveis.
   Precisamos parar por um momento em nossas vidas e rever algumas atitudes que nos permeiam. Eu sei que é fácil falar e muito mais difícil tomar a atitude devida, mas algo que precisamos rever é a nossa conduta perante esse individualismo.  Sempre que posso ou vejo que é necessário, reavalio meu individualismo. E você, leitor, como se encontra seu individualismo?
   Pense mais sobre isso e, assim, em um futuro em que as pessoas são mais reflexivas com seus valores e atitudes, o lado solidário de cada um terá a chance de aflorar e, por consequência, a humanidade agradecerá.

Imagem por Abyss - Alpha Coders

Postagens mais visitadas deste blog

Nós criamos nossos próprios fantasmas

A vida nada mais é do que uma busca e sempre buscamos aquilo que nos traz alegria, satisfação, paz de espírito e por aí vai. Fazemos isso para fazer valer a pena o tempo que estamos aqui e, quando chegar o final da vida e olharmos para trás, mesmo sabendo que nem tudo foi perfeito, queremos ter a sensação de dever cumprido.   Atrás dessa busca, tomamos muitos caminhos e decisões; ao mesmo tempo em que isso é necessário para que possamos crescer, é também o lugar em que mora o perigo, e as consequências de uma escolha mal feita podem ser terríveis.   Nossos fantasmas aparecem no momento em que fazemos uma escolha errada e os motivos por que erramos são muitos, como: buscar ter algo em um tempo errado ou quando nos vemos cegos pelo desejo de realizar que nem prestamos atenção na razão e nos fatos, ou ainda o instante no qual não escutamos nossa voz interior ou sequer seguimos nossos instintos.   O resultado de tudo isso é a criação definitiva de nossos fantasmas. Esse fantasma a que eu m…

A ilusão é uma música em francês

Há algumas coisas na vida que só o tempo pode nos oferecer; uma delas e que, na minha opinião, é a mais importante, é a experiência que adquirimos com o decorrer dos anos. A experiência torna-se parte fundamental pelo simples fato de nos presentear com sentimentos: alguns que já tínhamos experimentado no passado e revivemos e outros inéditos para os nossos sentidos.   Todas as sensações e sentimentos são válidos, mas quero dar ênfase em um deles que todo ser humano luta para não ter e, quando o tem, luta para não perde-lo. Estranho, não?   O sentimento a que me refiro é a ilusão − sim, ‘ilusão’. Ela nada mais é que o engano da nossa mente e não pense que esse estado é apenas inconsciente. Às vezes, temos a certeza dos fatos e do que vai acontecer em nossas relações, mas, de propósito, nos apegamos à ilusão que criamos como uma forma de esperança vazia, para alimentar a nossa vaidade ou para mascarar o sofrimento que a realidade pode nos trazer.   Quando percebemos a ilusão em nossas re…

A ingenuidade de um ridículo

A vida tem muitos significados, um mais metafísico e confuso que o outro, o que faz a pergunta do “sentido da vida” ter uma resposta difícil. Há pouco tempo, eu me fiz essa pergunta e não queria nada mais que uma resposta simples ou nem mesmo uma resposta, apenas um fato pequeno que fizesse sentido. Descobri esse fato: uma das emoções que mais dão sabor à existência, dando em parte o sentido da vida, é o prazer da descoberta. Caso confirmado por todos, mas há um grande problema nisso. Não sabemos dosar as descobertas: é necessário deixar perguntas sem respostas, é necessário ingenuidade para nos manter lúcidos.
  Ingenuidade é algo que devemos cultivar em nossa trajetória, quando perdemos o “só sei que nada sei” temos um desfalque enorme no sentido de viver e apenas conseguimos manter isso com humildade e ingenuidade; agora, se tivermos dificuldade em aprender essas lições, podemos olhar para as crianças. Já se perguntou por que a infância é vista pelos adultos como a fase mais bonit…