Pular para o conteúdo principal

A diferença dos significados



  Com o passar dos anos e com o modo de vida cada vez mais instantâneo que vivemos, deixamos passar despercebidas várias coisas que estão ao nosso redor e, às vezes, elas nem sequer têm a chance de entrar em nossas reflexões intimistas.
  Um caso desses, que deixamos de lado, são alguns significados por trás de palavras que usamos diariamente. Palavras que acreditamos ter o mesmo significado, mas são totalmente diferentes umas das outras. É sobre essa divergência que quero tratar, esclarecendo o significado de duas palavras: desejo e vontade.
  Apesar da maioria das pessoas acharem que desejo e vontade são a mesma coisa, eu digo que são diferentes, pois nascem de sentimentos que não conseguimos traduzir facilmente.
  O desejo vem de dentro de nós. Íntimo, ele nasce em nossa mente e influencia nosso corpo. Não temos controle sobre ele, o máximo que conseguimos é ter responsabilidade sobre nossos atos em busca do prazer. Não temos a escolha de acabar com o desejo que sentimos por algo ou alguém, por isso, lidar com ele, algumas vezes, é uma tarefa difícil e se torna mais árduo por uma simples particularidade: o desejo é um sentimento nato.
  Agora, diferente disso, vem à vontade: ela surge em nossa exterioridade, com as escolhas que fazemos no decorrer da vida. Por exemplo, tenho duas opções, uma blusa azul e outra vermelha; eu nunca vi nenhuma delas antes, nem ao menos imaginava uma cor, simplesmente apareceram às opções e eu vou escolher a cor que mais me agrada naquela situação, para aquela blusa. Essa foi uma circunstância que veio de fora e eu usei o poder da minha vontade para decidir o que fazer.
  Quero deixar claro: desejo é interno, planejamos e imaginamos como seria concretizá-lo, mas, às vezes, (infelizmente) nos deparamos com a possibilidade de não ser materializado. Já a vontade é externa, não tem como imaginar o que pode acontecer, aparecem opções à nossa frente e exercemos nossa vontade, sendo totalmente efetivada.
  Entre os dois, o que me cativa é o desejo, pois ele é o que realmente queremos, lutamos por ele e o buscamos, mesmo que, às vezes, pareça impossível. A vontade é inevitável, ela aparece e fazemos as escolhas meramente por simpatia ou pelo mais conveniente.
  Com isso, quero lançar aqui uma interrogação a você, querido leitor: o que de fato é um desejo em sua vida? Depois desta, quero formar outra: o que é apenas questão de vontade?

Só peço que não confunda os dois conceitos para refletir sobre a sua resposta e, assim como eu, busque se atentar aos significados que estão ao seu redor.


Postagens mais visitadas deste blog

A ingenuidade de um ridículo

A vida tem muitos significados, um mais metafísico e confuso que o outro, o que faz a pergunta do “sentido da vida” ter uma resposta difícil. Há pouco tempo, eu me fiz essa pergunta e não queria nada mais que uma resposta simples ou nem mesmo uma resposta, apenas um fato pequeno que fizesse sentido. Descobri esse fato: uma das emoções que mais dão sabor à existência, dando em parte o sentido da vida, é o prazer da descoberta. Caso confirmado por todos, mas há um grande problema nisso. Não sabemos dosar as descobertas: é necessário deixar perguntas sem respostas, é necessário ingenuidade para nos manter lúcidos.
  Ingenuidade é algo que devemos cultivar em nossa trajetória, quando perdemos o “só sei que nada sei” temos um desfalque enorme no sentido de viver e apenas conseguimos manter isso com humildade e ingenuidade; agora, se tivermos dificuldade em aprender essas lições, podemos olhar para as crianças. Já se perguntou por que a infância é vista pelos adultos como a fase mais bonit…

Um maço de cigarros, uma geladeira e meu coração

Certa vez, quando eu estava no ensino médio, uma professora da qual eu não gosto deixou escapar algo útil da sua boca. Ela contou uma anedota em que seu pai, que era viciado em cigarro havia muitos anos, decidiu parar de fumar. Disse que ele se esforçou bastante até conseguir, só que, mesmo depois de vencido o vicio, ele ainda tinha um hábito que intrigava.
  O hábito dele era sempre comprar um maço de cigarros para deixá-lo em cima da geladeira, lugar em que sempre costumava guardar seus cigarros, mas fazia isso mesmo depois de anos de largado o vício e sabendo que não fumaria de novo. Fiquei pensando muito nisso na época e vale ressaltar que a dita professora só estava contando aquilo para gente porque, naquele dia, finalmente, seu pai jogou o maço fora e não comprou mais nenhum para repor o lugar vazio.

  Algumas situações que passamos na vida nos fazem lembrar de histórias aleatórias com uma resposta para elas. Até o fim do meu ensino médio nunca chegamos a uma conclusão do por qu…

Nós criamos nossos próprios fantasmas

A vida nada mais é do que uma busca e sempre buscamos aquilo que nos traz alegria, satisfação, paz de espírito e por aí vai. Fazemos isso para fazer valer a pena o tempo que estamos aqui e, quando chegar o final da vida e olharmos para trás, mesmo sabendo que nem tudo foi perfeito, queremos ter a sensação de dever cumprido.   Atrás dessa busca, tomamos muitos caminhos e decisões; ao mesmo tempo em que isso é necessário para que possamos crescer, é também o lugar em que mora o perigo, e as consequências de uma escolha mal feita podem ser terríveis.   Nossos fantasmas aparecem no momento em que fazemos uma escolha errada e os motivos por que erramos são muitos, como: buscar ter algo em um tempo errado ou quando nos vemos cegos pelo desejo de realizar que nem prestamos atenção na razão e nos fatos, ou ainda o instante no qual não escutamos nossa voz interior ou sequer seguimos nossos instintos.   O resultado de tudo isso é a criação definitiva de nossos fantasmas. Esse fantasma a que eu m…