Pular para o conteúdo principal

A diferença dos significados



  Com o passar dos anos e com o modo de vida cada vez mais instantâneo que vivemos, deixamos passar despercebidas várias coisas que estão ao nosso redor e, às vezes, elas nem sequer têm a chance de entrar em nossas reflexões intimistas.
  Um caso desses, que deixamos de lado, são alguns significados por trás de palavras que usamos diariamente. Palavras que acreditamos ter o mesmo significado, mas são totalmente diferentes umas das outras. É sobre essa divergência que quero tratar, esclarecendo o significado de duas palavras: desejo e vontade.
  Apesar da maioria das pessoas acharem que desejo e vontade são a mesma coisa, eu digo que são diferentes, pois nascem de sentimentos que não conseguimos traduzir facilmente.
  O desejo vem de dentro de nós. Íntimo, ele nasce em nossa mente e influencia nosso corpo. Não temos controle sobre ele, o máximo que conseguimos é ter responsabilidade sobre nossos atos em busca do prazer. Não temos a escolha de acabar com o desejo que sentimos por algo ou alguém, por isso, lidar com ele, algumas vezes, é uma tarefa difícil e se torna mais árduo por uma simples particularidade: o desejo é um sentimento nato.
  Agora, diferente disso, vem à vontade: ela surge em nossa exterioridade, com as escolhas que fazemos no decorrer da vida. Por exemplo, tenho duas opções, uma blusa azul e outra vermelha; eu nunca vi nenhuma delas antes, nem ao menos imaginava uma cor, simplesmente apareceram às opções e eu vou escolher a cor que mais me agrada naquela situação, para aquela blusa. Essa foi uma circunstância que veio de fora e eu usei o poder da minha vontade para decidir o que fazer.
  Quero deixar claro: desejo é interno, planejamos e imaginamos como seria concretizá-lo, mas, às vezes, (infelizmente) nos deparamos com a possibilidade de não ser materializado. Já a vontade é externa, não tem como imaginar o que pode acontecer, aparecem opções à nossa frente e exercemos nossa vontade, sendo totalmente efetivada.
  Entre os dois, o que me cativa é o desejo, pois ele é o que realmente queremos, lutamos por ele e o buscamos, mesmo que, às vezes, pareça impossível. A vontade é inevitável, ela aparece e fazemos as escolhas meramente por simpatia ou pelo mais conveniente.
  Com isso, quero lançar aqui uma interrogação a você, querido leitor: o que de fato é um desejo em sua vida? Depois desta, quero formar outra: o que é apenas questão de vontade?

Só peço que não confunda os dois conceitos para refletir sobre a sua resposta e, assim como eu, busque se atentar aos significados que estão ao seu redor.


Postagens mais visitadas deste blog

Nós criamos nossos próprios fantasmas

A vida nada mais é do que uma busca e sempre buscamos aquilo que nos traz alegria, satisfação, paz de espírito e por aí vai. Fazemos isso para fazer valer a pena o tempo que estamos aqui e, quando chegar o final da vida e olharmos para trás, mesmo sabendo que nem tudo foi perfeito, queremos ter a sensação de dever cumprido.   Atrás dessa busca, tomamos muitos caminhos e decisões; ao mesmo tempo em que isso é necessário para que possamos crescer, é também o lugar em que mora o perigo, e as consequências de uma escolha mal feita podem ser terríveis.   Nossos fantasmas aparecem no momento em que fazemos uma escolha errada e os motivos por que erramos são muitos, como: buscar ter algo em um tempo errado ou quando nos vemos cegos pelo desejo de realizar que nem prestamos atenção na razão e nos fatos, ou ainda o instante no qual não escutamos nossa voz interior ou sequer seguimos nossos instintos.   O resultado de tudo isso é a criação definitiva de nossos fantasmas. Esse fantasma a que eu m…

A ilusão é uma música em francês

Há algumas coisas na vida que só o tempo pode nos oferecer; uma delas e que, na minha opinião, é a mais importante, é a experiência que adquirimos com o decorrer dos anos. A experiência torna-se parte fundamental pelo simples fato de nos presentear com sentimentos: alguns que já tínhamos experimentado no passado e revivemos e outros inéditos para os nossos sentidos.   Todas as sensações e sentimentos são válidos, mas quero dar ênfase em um deles que todo ser humano luta para não ter e, quando o tem, luta para não perde-lo. Estranho, não?   O sentimento a que me refiro é a ilusão − sim, ‘ilusão’. Ela nada mais é que o engano da nossa mente e não pense que esse estado é apenas inconsciente. Às vezes, temos a certeza dos fatos e do que vai acontecer em nossas relações, mas, de propósito, nos apegamos à ilusão que criamos como uma forma de esperança vazia, para alimentar a nossa vaidade ou para mascarar o sofrimento que a realidade pode nos trazer.   Quando percebemos a ilusão em nossas re…

A ingenuidade de um ridículo

A vida tem muitos significados, um mais metafísico e confuso que o outro, o que faz a pergunta do “sentido da vida” ter uma resposta difícil. Há pouco tempo, eu me fiz essa pergunta e não queria nada mais que uma resposta simples ou nem mesmo uma resposta, apenas um fato pequeno que fizesse sentido. Descobri esse fato: uma das emoções que mais dão sabor à existência, dando em parte o sentido da vida, é o prazer da descoberta. Caso confirmado por todos, mas há um grande problema nisso. Não sabemos dosar as descobertas: é necessário deixar perguntas sem respostas, é necessário ingenuidade para nos manter lúcidos.
  Ingenuidade é algo que devemos cultivar em nossa trajetória, quando perdemos o “só sei que nada sei” temos um desfalque enorme no sentido de viver e apenas conseguimos manter isso com humildade e ingenuidade; agora, se tivermos dificuldade em aprender essas lições, podemos olhar para as crianças. Já se perguntou por que a infância é vista pelos adultos como a fase mais bonit…