Pular para o conteúdo principal

Decepção nossa de cada dia



  Todos os dias de nossas vidas acontecem coisas dentro de nós que não podemos evitar e uma das coisas que ocorrem e que deriva de nossa mente, são os sentimentos que outras pessoas fazem aflorar em nosso ser, outro fato sobre eles, é que os sentimentos fazem um ciclo. Começam em nossa mente, modificam nosso psicoemocional e no término, voltam para o ponto de partida, o próprio indivíduo.
  Tais sentimentos são diversos e variados, podem ser amor, desejo, compaixão, gratidão, empatia e por aí vai.
  A importância atribuída a esses sentimentos também ocorre de uma forma peculiar: é feita da razão entre a importância dada pelo emissor do sentimento e aquilo que esperamos como “recompensa” pelas nossas ações na vida daquele indivíduo.
  Às vezes, o bom sentimento que gostaríamos de ter pela pessoa não é o definitivo, nem insubstituível dentro de nossas mentes e aí entra a decepção, o pior sentimento que as pessoas podem gerar em nós. A decepção é genuína, não é como a raiva ou o ódio que são efêmeros e vão diminuindo conforme o tempo, a decepção fica, machuca na alma onde outros sentimentos não conseguem chegar e, além disso, é atemporal.
  A decepção aparece quando há discordância entre o valor que a outra pessoa dá para as coisas que você fez por ela, não correspondendo da forma como você gostaria. Dois pesos e duas medidas de um mesmo sentimento e dos mesmos atos. Lembrando que: a decepção só acontece em relação àquela pessoa realmente importante pra você e isso é uma das principais causas de ser o pior sentimento externo que se pode sentir. Parece que ela faz esquecer o passado, os caminhos percorridos pelos dois, (que muitas vezes você tornará eles mais fáceis), ela esquece do tempo que conhecem um ao outro e também das certezas que consciente ou não você tenha dado a ela.
  Uma das coisas que mais causa decepção, acredito eu, é você não estar nas escolhas da outra pessoa e perceber que ela valoriza e dá mais recursos a outros do que a você, apesar de saber que o outro no qual ela valoriza, não utilizou de muita energia para adquirir aquilo. Soma-se a isso, a decepção de quando você percebe que a outra vai te deixando ali, de lado, como se estivesse te guardando, não para um momento especial, mas sim até o instante em que você deixar de ser conveniente para os desejos narcisistas dela. Não ser A escolha é doloroso, e ver outra pessoa ser escolhida é ainda pior, além de que, você percebe a criação de uma expectativa demasiada a algumas pessoas que não tem a mesma grandeza de seus pensamentos.
  Por isso, meus queridos leitores, penso que não precisamos desse desprazer em nossas vidas. Sentir decepção é natural e uma hora ou outra vai acontecer, mas sabe aquela pessoa que só lhe dá decepção atrás da outra, não dando importância nenhuma ao passado, que não te inclui em seus planos e que não valoriza o que você fez por ela até o momento? Então... esqueça-a. Sei que não vai ser fácil, mas é preciso. Pense em você primeiro antes dos outros, é a lei do amor próprio.

  A decepção apesar de estar nos âmagos humanos, é de simples explicação e eliminação, basta ter vontade e disposição para enfrentar esse caminho, que por vezes é tortuoso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um maço de cigarros, uma geladeira e meu coração

Certa vez, quando eu estava no ensino médio, uma professora da qual eu não gosto deixou escapar algo útil da sua boca. Ela contou uma anedota em que seu pai, que era viciado em cigarro havia muitos anos, decidiu parar de fumar. Disse que ele se esforçou bastante até conseguir, só que, mesmo depois de vencido o vicio, ele ainda tinha um hábito que intrigava.
  O hábito dele era sempre comprar um maço de cigarros para deixá-lo em cima da geladeira, lugar em que sempre costumava guardar seus cigarros, mas fazia isso mesmo depois de anos de largado o vício e sabendo que não fumaria de novo. Fiquei pensando muito nisso na época e vale ressaltar que a dita professora só estava contando aquilo para gente porque, naquele dia, finalmente, seu pai jogou o maço fora e não comprou mais nenhum para repor o lugar vazio.

  Algumas situações que passamos na vida nos fazem lembrar de histórias aleatórias com uma resposta para elas. Até o fim do meu ensino médio nunca chegamos a uma conclusão do por qu…

Nós criamos nossos próprios fantasmas

A vida nada mais é do que uma busca e sempre buscamos aquilo que nos traz alegria, satisfação, paz de espírito e por aí vai. Fazemos isso para fazer valer a pena o tempo que estamos aqui e, quando chegar o final da vida e olharmos para trás, mesmo sabendo que nem tudo foi perfeito, queremos ter a sensação de dever cumprido.   Atrás dessa busca, tomamos muitos caminhos e decisões; ao mesmo tempo em que isso é necessário para que possamos crescer, é também o lugar em que mora o perigo, e as consequências de uma escolha mal feita podem ser terríveis.   Nossos fantasmas aparecem no momento em que fazemos uma escolha errada e os motivos por que erramos são muitos, como: buscar ter algo em um tempo errado ou quando nos vemos cegos pelo desejo de realizar que nem prestamos atenção na razão e nos fatos, ou ainda o instante no qual não escutamos nossa voz interior ou sequer seguimos nossos instintos.   O resultado de tudo isso é a criação definitiva de nossos fantasmas. Esse fantasma a que eu m…

A ilusão é uma música em francês

Há algumas coisas na vida que só o tempo pode nos oferecer; uma delas e que, na minha opinião, é a mais importante, é a experiência que adquirimos com o decorrer dos anos. A experiência torna-se parte fundamental pelo simples fato de nos presentear com sentimentos: alguns que já tínhamos experimentado no passado e revivemos e outros inéditos para os nossos sentidos.   Todas as sensações e sentimentos são válidos, mas quero dar ênfase em um deles que todo ser humano luta para não ter e, quando o tem, luta para não perde-lo. Estranho, não?   O sentimento a que me refiro é a ilusão − sim, ‘ilusão’. Ela nada mais é que o engano da nossa mente e não pense que esse estado é apenas inconsciente. Às vezes, temos a certeza dos fatos e do que vai acontecer em nossas relações, mas, de propósito, nos apegamos à ilusão que criamos como uma forma de esperança vazia, para alimentar a nossa vaidade ou para mascarar o sofrimento que a realidade pode nos trazer.   Quando percebemos a ilusão em nossas re…