Pular para o conteúdo principal

Não permita

 


  Cada ser humano possui seu conjunto de valores, e um próprio jeito de ser, de viver. 

  Claro que, sempre que possível precisamos mudar alguns conceitos relacionados a nós mesmos visando o desenvolvimento e crescimento próprio, porém estes, não estão relacionados aos seus valores, pré estabelecidos desde quando você é uma criança. E estes conceitos e mudanças durante a vida geralmente são realizadas a partir de críticas construtivas que vem até nós.
    
Críticas construtivas, quando deixam de ser construtivas.

 Tá na moda! 
  Criticam seu jeito de ser, de andar, sua forma de pensar, seu estilo de vida, e até de se vestir, querem mudar sua maneira de pensar ou agir. 

  Ok, mas quem é o sujeito de tantas críticas? Depende, pode ser a sociedade,  de maneira quase geral,  com seu preconceito sobre toda e qualquer coisa que soe "fora do padrão", ou até pessoas do seu convívio diário que pensam que podem te dizer o que fazer, pensar e agir. E estas críticas ficam martelando em nossa cabeça, de modo que não sabemos como fugir ou o que fazer perante elas.

  Quando você perceber que a crítica deixou de ser construtiva, e que não te levará a lugar algum, simplesmente não permita. Muitas vezes "não dar ouvidos" pode ser um ótimo conselho.


Imagem ilustrativa por HaBer44

Postagens mais visitadas deste blog

Nós criamos nossos próprios fantasmas

A vida nada mais é do que uma busca e sempre buscamos aquilo que nos traz alegria, satisfação, paz de espírito e por aí vai. Fazemos isso para fazer valer a pena o tempo que estamos aqui e, quando chegar o final da vida e olharmos para trás, mesmo sabendo que nem tudo foi perfeito, queremos ter a sensação de dever cumprido.   Atrás dessa busca, tomamos muitos caminhos e decisões; ao mesmo tempo em que isso é necessário para que possamos crescer, é também o lugar em que mora o perigo, e as consequências de uma escolha mal feita podem ser terríveis.   Nossos fantasmas aparecem no momento em que fazemos uma escolha errada e os motivos por que erramos são muitos, como: buscar ter algo em um tempo errado ou quando nos vemos cegos pelo desejo de realizar que nem prestamos atenção na razão e nos fatos, ou ainda o instante no qual não escutamos nossa voz interior ou sequer seguimos nossos instintos.   O resultado de tudo isso é a criação definitiva de nossos fantasmas. Esse fantasma a que eu m…

A ilusão é uma música em francês

Há algumas coisas na vida que só o tempo pode nos oferecer; uma delas e que, na minha opinião, é a mais importante, é a experiência que adquirimos com o decorrer dos anos. A experiência torna-se parte fundamental pelo simples fato de nos presentear com sentimentos: alguns que já tínhamos experimentado no passado e revivemos e outros inéditos para os nossos sentidos.   Todas as sensações e sentimentos são válidos, mas quero dar ênfase em um deles que todo ser humano luta para não ter e, quando o tem, luta para não perde-lo. Estranho, não?   O sentimento a que me refiro é a ilusão − sim, ‘ilusão’. Ela nada mais é que o engano da nossa mente e não pense que esse estado é apenas inconsciente. Às vezes, temos a certeza dos fatos e do que vai acontecer em nossas relações, mas, de propósito, nos apegamos à ilusão que criamos como uma forma de esperança vazia, para alimentar a nossa vaidade ou para mascarar o sofrimento que a realidade pode nos trazer.   Quando percebemos a ilusão em nossas re…

A ingenuidade de um ridículo

A vida tem muitos significados, um mais metafísico e confuso que o outro, o que faz a pergunta do “sentido da vida” ter uma resposta difícil. Há pouco tempo, eu me fiz essa pergunta e não queria nada mais que uma resposta simples ou nem mesmo uma resposta, apenas um fato pequeno que fizesse sentido. Descobri esse fato: uma das emoções que mais dão sabor à existência, dando em parte o sentido da vida, é o prazer da descoberta. Caso confirmado por todos, mas há um grande problema nisso. Não sabemos dosar as descobertas: é necessário deixar perguntas sem respostas, é necessário ingenuidade para nos manter lúcidos.
  Ingenuidade é algo que devemos cultivar em nossa trajetória, quando perdemos o “só sei que nada sei” temos um desfalque enorme no sentido de viver e apenas conseguimos manter isso com humildade e ingenuidade; agora, se tivermos dificuldade em aprender essas lições, podemos olhar para as crianças. Já se perguntou por que a infância é vista pelos adultos como a fase mais bonit…